conectando os pontos

um dos trechos mais repetidos do discurso de Steve Jobs em Stanford é o que diz que só é possível conectar os pontos olhando pra trás. no entanto, nós, românticos e sonhadores, ouvindo as palavras do falecido Jobs, instantaneamente começamos a projetar o futuro, nos imaginando olhando pra trás orgulhosos de como nossos pontos se conectaram brilhantemente. ou seja, em milissegundos já subvertemos a mensagem: viver no presente, seguir os instintos e não se preocupar tanto com o futuro.

grandes realizações acontecem com o acúmulo de tarefas que parecem sem graça e, por vezes, sem sentido. por exemplo, lidar com um colega de trabalho que está passando por alguma dificuldade pode parecer chato, um ruído que irá atrapalhar nossa trajetória rumo a um sucesso arrebatador. mas o mais provável é que a maneira como lidamos com essas pequenas questões esteja mais ligada ao nosso caminho para o sucesso do que grandes acontecimentos. e são esses pontos que só vamos conectar lá na frente! são as coisas mundanas que não damos muito valor quando acontecem.

é impossível ter todos os dias de realizações gloriosas. até porque em muito pouco tempo toda essa glória se torna normal e vai ser preciso ir além pra conseguir atingir um grau maior de grandiosidade. vamos adquirindo uma tolerância, como acontece com qualquer outra coisa – incluindo drogas.